sábado, abril 01, 2006

Qual é o significado da páscoa hoje?


Há duas semanas perguntei a um adolescente qual era o significado da páscoa e para minha surpresa e indignação, ele me deu a seguinte resposta. “Páscoa é comer chocolate, ganhar ovos, minha mãe compra ovos para mim, para meus irmãos e para todos os meus primos, meu irmão mais novo até acredita em coelhinho...” Amados imaginem a minha cara, diante aquela resposta! Será que nunca ninguém falou para aquele adolescente qual é o verdadeiro significado da páscoa? Ele nem imaginava que o foco da páscoa é Cristo, e não o coelhinho. Quantos adolescentes não há como ele? Talvez até mesmo dentro de nossas igrejas.

Existem coisas que precisam ser recordadas constantemente para que não se esqueçam da sua importância e significado. É lamentável o significado que o mundo tem dado para páscoa, pois somos bombardeados com os comerciais de ovos de chocolate e coelhinhos, na TV, no rádio, em Outdoor’s espalhados por toda a cidade, supermercados, etc...Contudo não vemos nem ouvimos, algum meio de comunicação falando de Cristo, da Cruz ou ressurreição. Temos até que refletir, que ênfase nossas igrejas têm dado a páscoa. Muitas vezes nem mesmo nos cristãos que conhecemos a verdade, temos proclamado qual é o seu genuíno significado. Talvez seja necessário refrescar a memória do “mundo” e dos “crentes” de qual é seu verdadeiro significado, para que eles possam saber porque, e o que celebram.

Páscoa é a comemoração do dia do livramento, quando o Senhor feriu todos os primogênitos do Egito, mas livrou aqueles que tinham o sangue do cordeiro aplicado no batente de suas portas (Ex. 12:12). O Senhor passou por aquelas casas sem ferir de morte os primogênitos ali, pois o sangue do cordeiro sem mácula estava justificando aqueles primogênitos. Além de serem livres da morte dos seus primogênitos, também foram libertos, com aquela ação do Senhor, da escravidão na terra do Egito (Ex. 12:31-33). Esse dia deveria ser um memorial a ser comemorado perpetuamente disse o Senhor (Ex.12:14).

Após a vinda de Cristo o significado da páscoa em nossos dias deve ser:

O cordeiro imolado para libertação do povo representa Cristo que foi morto por nossos pecados para nos livrar da escravidão do pecado e da morte. Deveria ser um cordeiro sem nenhum defeito (2 Co. 5:21 , 1 Pe. 1:19-20). O cordeiro deveria morrer para que os homens pudessem viver (Is. 53).

João quando viu Jesus se aproximando disse: "eis o Cordeiro de que tira o pecado do mundo" (Jo. 1:29). De acordo com o que acabamos de ver, Páscoa é a comemoração do livramento da morte e da escravidão.

Nós que já fomos libertados do poder do pecado sabemos que isso somente foi possível através do sacrifício de Cristo na cruz, por isso, sua morte e ressurreição devem ser uma realidade em nossas vidas, pois se não for, de que adianta a celebração dessa data.

5 comentários:

Vinícius Cássio disse...

Nada a acrescentar. O texto é incontestável e real.
(abraço Tiago e Samir)

Samir Mesquita disse...

Matéria do UOL hoje: por partes ok?
A Páscoa é uma festa móvel do calendário religioso cristão, comemorada 40 dias após a Quarta-Feira de Cinzas (1º dia da Quaresma). Cai, geralmente, entre abril e maio de cada ano.

A data relembra o dia da ressureição de Cristo, de acordo com um decreto do papa Gregório 13, de 24 de fevereiro de 1582. Com ele, o papa também instituía o calendário (dito gregoriano) que vigora hoje em dia nos países ocientais e na maioria das nações do mundo.

Entre o fim da Antigüidade e o começo da Idade Média, as muitas dúvidas históricas e cronológicas que cercam a vida de Jesus foram "resolvidas" num Concílio (uma reunião de bispos) acontecido na cidade de Nicéia em 325 d.C., por convocação do imperador Constantino, o homem que fez do cristianismo a religião oficial do Império romano.

O Concílio de Nicéia estabeleceu que a comemoração da Páscoa se daria no primeiro domingo depois da lua cheia que ocorre no dia 21 de março, o início da primavera no hemisfério Norte. Desse modo, a ressurreição de Cristo seria identificada ao próprio renascimento de uma natureza amena e fértil que o continente europeu experimenta nessa época, após três longos meses de rigoroso inverno.

É bem verdade que essa lua pontual assim não existia, exceto numa tabela da Igreja que facilitava cálculos, mas isso não vem ao caso

Samir Mesquita disse...

Páscoa judaica
Convém lembrar que o cristianismo se origina no interior do judaísmo e que esta religião também tem a sua Páscoa. Na verdade, é do hebraico "Pessach" que se origina o termo português "páscoa", o espanhol "pascua", o italiano "pasqua" e o francês "pâques".

Mas a Páscoa dos judeus tem um significado diferente da dos cristãos. Ela foi instituída na época de Moisés e comemora a libertação do povo de Israel, que fora escravizado pelos egípcios. Não é difícil visualizar a palavra "pessach" a palavra "passagem", que dela deriva ao longo de muitos séculos. E, nesse sentido, a Páscoa judaica e cristã celebram passagens, respectivamente, do cativeiro à liberdade e da morte à vida.

Agora, você pode estar se perguntando como é que os coelhos e os ovos de chocolate entram nessa história. Pois bem, pela sua grande capacidade de procriar, o coelho tornou-se tradicionalmente um símbolo de fertilidade e, nesse sentido, muito adequado para representar nascimentos e nascimentos. Além disso, várias tradições mitológicas também associam o coelho à Lua e o fato de a lua cheia anterior ao 21 de março determinar a data da Páscoa também relaciona os dois elementos.

Samir Mesquita disse...

VEJAM A HISTÓRIA DO COELHO: SERÁ?

Coelhos e ovos
Assim como os coelhos, os ovos também representam o nascimento, por motivos até mais óbvios. Segundo a tradição, os antigos cristãos do Oriente costumavam presentear seus amigos na Páscoa, com ovos coloridos. O costume se difundiu com o cristianismo, chegou a Europa e às Américas. Ovos reais ou feitos de pedras, devidamente enfeitados e pintados, têm um caráter inegavelmente decorativo e se tornaram comuns na Europa - em especial na Alemanha - no século 18.

Na Rússia, na Páscoa de 1884, Peter Karl Fabergé, o joalheiro oficial da corte, criou um ovo de ouro e pedras precisoas com que o imperador (ou czar, em russo) Alexandre 3o presenteou sua esposa. Os ovos da joalheria Fabergé também se transformaram numa tradição e continuam fabricados até hoje - embora seus preços estejam muito além do que podem pagar as pessoas comuns.

Mas quem sabe não veio daí mesmo a idéia de fazer ovos de um material mais barato, mas muito mais saboroso do que o ouro? Os ovos de chocolate surgiram no início do século 20, como bombons especiais para a comemoração da Páscoa. Diversas tradições culturais foram aproveitadas, então, para incentivar as vendas de chocolate, que os coelhinhos escondem nas casas das crianças, sejam ricas ou pobres.

Tudo isso foi tirando um pouco do caráter religioso da Páscoa cristã, principalmente nas grandes cidades. Na verdade, nos dias de hoje, o aspecto cristão da data comemorativa está mais ligado à sexta-feira que a antecede - a Sexta-feira Santa, que rememora a crucificação de Jesus Cristo. O comércio, a propaganda e o marketing têm se apropriado da Páscoa, da mesma maneira que com o Natal - que têm uma essência menos mística e mais festiva.

Samir Mesquita disse...

Fato é que a mídia, comércio nos empurram goela abaixo rituais e símbolos que não enfocam nossa fé. Quanto mais deixamos de nos posicionar e firmar nossos pensamentos contra esse tipo de atitude da sociedade, mais perdemos nosso papel. Nós somos os conhecedores da verdade e devemos com toda integridade e coragem, proclamá-la. "Não vos conformeis..." Rm. 12.
Interessante é que no fim da própria matéria há um comentário:

Tudo isso foi tirando um pouco do caráter religioso da Páscoa cristã, principalmente nas grandes cidades. Na verdade, nos dias de hoje, o aspecto cristão da data comemorativa está mais ligado à sexta-feira que a antecede - a Sexta-feira Santa, que rememora a crucificação de Jesus Cristo. O comércio, a propaganda e o marketing têm se apropriado da Páscoa, da mesma maneira que com o Natal - que têm uma essência menos mística e mais festiva.

Pra nós é completa: Morte e Ressurreição! ELE está VIVO!