segunda-feira, julho 31, 2006

Eleito, Eu?

Fazendo uma análise real de quem eu sou, vejo um homem miserável, pecador, pequeno...Por outro lado, vejo a santidade, perfeição, e soberania de Deus, contudo há um contraste nisso, pois mesmo com todas essas imperfeições, o Senhor tem derramado tantas benções sobre minha vida, hoje tenho o privilégio de ser membro de uma igreja que está cada dia mais firmada na Palavra de Deus, lá eu tenho a oportunidade de aprender e ensinar, servir e ser servido, amar e ser amado...Tenho um bom trabalho, estudo o que gosto, em um dos melhores seminários, tenho verdadeiros amigos, família, saúde, namorada, e o melhor de tudo: A eleição para salvação, conquistada e perpetuada por Cristo na Cruz, essa ninguém tasca.

Porém diante disso vejo que minhas atitudes nem sempre são de louvores a Deus, pelo contrário, não tenho retribuído nem um terço da demonstração do amor de Deus pela minha vida. Ao ler e re-ler a bíblia, em cada capítulo vejo a minha história sendo escrita, pois tanto eu como você fazemos parte dessa história. Todavia, só fazemos parte dessa história, porque Deus desde a fundação do mundo nos elegeu independente de nossos atos ou atitudes, ou seja, isso não é mérito meu, nem seu, e sim de Deus. Se fomos eleitos, não é por mérito nosso, e sim pela graça de Deus, isso não envolve nenhum direito de escolha, nem mesmo a possibilidade de Deus aceitar algum tipo de barganha, como: “farei boas obras”, “serei fiel”, “não vou matar, roubar, assim garanto meu ingresso no céu”, sabemos que as coisas não funcionam desse jeito. Pessoas que pensam assim, geralmente têm a seguinte linha de raciocínio:

“A escolha divina de certos indivíduos para a salvação, antes da fundação do mundo, foi baseada na Sua previsão (presciência) de que eles responderiam à Sua chamada (fé prevista). Deus selecionou apenas aqueles que Ele sabia que iriam, livremente e por si mesmos, crer no evangelho. A eleição, portanto, foi determinada ou condicionada pelo que o homem iria fazer. A fé que Deus previu e sobre a qual Ele baseou a Sua escolha não foi dada ao pecador por Deus (não foi criada pelo poder regenerador do Espírito Santo), mas resultou tão somente da vontade do homem. Foi deixado inteiramente ao arbítrio do homem o decidir quem creria e, por conseguinte, quem seria eleito para a salvação. Deus escolheu aqueles que Ele sabia que iriam, de sua livre vontade, escolher a Cristo. Assim, a causa última da salvação não é a escolha que Deus faz do pecador, mas a escolha que o pecador faz de Cristo.” Idéias Arminianista.

Contudo cremos, e sabemos que fomos eleitos pela graça:

“A escolha divina de certos indivíduos para a salvação, antes da fundação do mundo, repousou tão somente na Sua soberana vontade. A escolha de determinados pecadores feita por Deus não foi baseada em qualquer resposta ou obediência prevista da parte destes, tal como fé ou arrependimento. Pelo contrário, é Deus quem dá a fé e o arrependimento a cada pessoa a quem Ele escolheu. Esses atos são o resultado e não a causa da escolha divina. A eleição, portanto, não foi determinada nem condicionada por qualquer qualidade ou ato previsto no homem. Aqueles a quem Deus soberanamente elegeu, Ele os traz, através do poder do Espírito, a uma voluntária aceitação de Cristo. Desta forma, a causa última da salvação não é a escolha que o pecador faz de Cristo, mas a escolha que Deus faz do pecador.” Verdades Calvinistas 1

É fato que a doutrina da eleição não é uma das mais fáceis de ser interpretada, vejamos alguns textos bíblicos que nos ajudarão a entender esse tema de uma forma mais clara.

“Não fostes vós que escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vos outros”
Jo. 15:16

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de benção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo para sermos santos e irrepreensíveis perante ele, e em amor, nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade para louvor da glória de sua graça que ele nos concedeu gratuitamente no amado .” Ef. 1:3-6

“Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o principio para salvação, pela santificação do espírito e a fé na verdade, para o que também vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançares a glória de nosso Senhor Jesus Cristo.” 2 Ts. 2:13-14

“Como toda a verdade a respeito de Deus, a doutrina da eleição envolve mistério e, às vezes, levanta controvérsia. Porém, nas Escrituras, é uma doutrina pastoral, que ajuda os cristãos a verem quão grande é a graça que os salva e os move a responder com humildade, confiança e louvor. Não sabemos quais os outros que Deus escolheu entre os que ainda não são crentes, nem por que ele nos escolheu, especificamente. Sabemos apenas que, se somos crentes agora, é porque fomos escolhidos. Também sabemos que, como crentes, podemos confiar em que Deus acabará a boa obra que começou (1Co 1.8-9; Fp 1.6; 1Ts 5.23-24; 2Tm 1.2; 4.18).” Por essas razões, o conhecimento da eleição é uma fonte de gratidão e confiança.”2


Muitos dizem que a doutrina da eleição é injusta, ou então que deixa o homem acomodado, contudo aquele que realmente crê em Deus e o serve, confia e respeita a soberania de Deus, e ao invés de ficar acomodado com seus delitos e pecados, busca dia após dias ser mais santo, pois um dos frutos da eleição sem dúvidas e a santificação dos eleitos. Poderia escrever páginas e páginas sobre esse tema tão importante, porém encerro essa breve reflexão com um comentário de Santo Agostinho:

“Pergunto: quem ouvir o Senhor, que diz: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui Eu que vos escolhi, terá atrevimento de dizer que os homens têm fé para ser escolhidos, quando a verdade é que são escolhidos para crer? A não ser que se ponham contra a sentença da Verdade e digam que escolheram antes a Cristo aqueles aos quais ele disse: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi”3.

1.(Trecho da Tradução livre e adaptada do livro The Five Points of Calvinism - Defined, Defended, Documented, de David N. Steele e Curtis C. Thomas, Partes I e II, [Presbyterian & Reformed Publishing Co, Phillipsburg, NJ, USA.], feita por João Alves dos Santos)
2.Bíblia de Estudo de Genebra, Nota Teológica, página 1333.
3.Fonte: A GRAÇA II, Editora PAULUS.

segunda-feira, julho 17, 2006

Eu X Ele - Soberania

Eu X Ele – Ele

Partindo para um momento de reflexão sobre mim e Deus.

Finalmente, parto para descrição daquilo que tenho aprendido sobre quem Deus é. Claro, é uma visão de um jovem cristão que tem buscado ler e aprender a Bíblia e com base nesses conceitos adquiridos até hoje, pelo que tem aprendido da revelação de Deus, passo a vocês a exposição daquele a quem me submeto. É uma simples reflexão, mas já dá pra entender o local de cada um na história;

Como único Agente genuinamente livre, em toda a eternidade, que não é influenciado por nenhuma criatura ou força externa, só ele, o Senhor da Glória, pode dizer desafiadamente:

“...terei misericordia de quem me aprouver ter misericórdia, e me compadecerei de quem me aprouver ter compaixao” (Rm 9.15)Trecho retirado do Livro – Tulip – Os cinco pontos do calvinismos a luz das escrituras

Deus estipulou suas normas, não foi ouvido e o homem colhe os frutos deste ato. Em Adão fomos desobedientes e condenados. Em Jesus temos o pagamento da dívida, a Graça para com aqueles que Deus amou antes da fundação do mundo. Os homens agem em suas responsabilidades pessoais completamente emaranhados no plano, no exercício da soberania divina.

Sobre Faraó: “Para isso mesmo te levantei, para mostrar em ti meu poder, e para que meu nome seja anunciado por toda a terra” (Rm 9.17)

Isso, de fato, irrita ou deixa indignados aqueles que entendem ter total liberdade para decidir sobre suas ações, que acreditam serem livres de qualquer força externa – leia: : “Eu e Ele – Parte 1” -
Para esses momentos lembramos das palavras bíblicas mais uma vez:

20 Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim? 21 Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para uso honroso e outro para uso desonroso? 22 E que direis, se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição; 23 para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que de antemão preparou para a glória.” Rm. 9. 20-23

Percebeu que se temos um livro para estudar esse grande abismo que há entre nós e Deus, é o livro de Romanos. Paulo parte de uma explanação meticulosa e muito, muito farta de questionamentos e respostas sobre o plano de Deus sobre a humanidade – LEIA: : “Bíblia On Line” -

De minha parte, exponho a vocês trechos da minha pequena história de vida, expressando o devido reconhecimento da soberania de Deus sobre mim, sobre tudo. A seguir trechos de canções compostas por este que vos escreve, durante os anos.

2002 – Nas tuas mãos
trecho da canção baseada em Isaías 40 – um dos textos que mais gosto:

Nas Tuas mãos as medidas dos céus
As nações são como gota d’ água
Quem te ensinou os caminhos da justiça Senhor?
Ou te entregou toda a sabedoria?
Não há quem possa se comparar a Ti
Nada sai do controle do grande El Shadai
Assim como as estrelas não te são estranhas,
Meus caminhos, nenhum deles é oculto a Ti.

2004 – Amo o Senhor
trecho da canção:

Amo o Deus criador de céus e terra, tudo o que neles há.
Seus pensamentos, que profundos!
Não podem homens sondar.
Mas sua palavra é bem clara quando diz:
“Deus não é homem pra mentir”; Só nele confiarei
.

2005 – Nas tuas mãos
como bom arquiteto, não deixei quieta a música e resolvi fazer uma parte “b” para a canção; agora ela está completa:

Ele faz sair seu exercito de estrelas
Todas bem contadas e lhes chama pelo nome
Por ser grande em força, forte em poder
Nenhuma sequer vai lhe faltar
Faz forte ao cansado, multiplica suas forças
Os que esperam em ti, tem força renovada
Sobem como águias, correm e não se cansam
Pois esperam em ti, eles esperam em ti


Encerro esta pequena exposição de idéis com mais um trecho bíblico, o mesmo do post anterior:


“Mas, Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos e pecados, nos deu vida juntamente com Cristo, pela graça sois salvos. E, juntamente com ele, nos ressuscitou e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus, não de obras para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andassemos nelas!
"
Efesios 2:8-10

Que Ele, do alto de sua soberania, continue tomando conta de mim. Eu, tão pequeno....




segunda-feira, julho 10, 2006

Novo Blog!!

Por iniciativa do Charles Grimm, do blog Pro Nobis, foi criado um blog editado por vários reformados de todo o Brasil. Chama-se Confraria Calvinista.

Acompanhe as postagens!

Estamos por lá também!! hehe!